Como investir no tesouro direto – O guia definitivo

E se você pudesse emprestar dinheiro para o governo? Isto é perfeitamente possível, rentável e você não precisa ter milhões ou ganhar feito um deputado para isso.

Aplicar seu dinheiro no tesouro direto é fácil, rápido e não exige amplos conhecimentos de finanças e mercado financeiro.

O Tesouro direto é um dos investimentos que mais cresceu nos últimos anos, fechando o ano de 2017 com quase 2 milhões de investidores cadastrados.

Se você começou a organizar o seu dinheiro e conquistou o hábito de poupar todo mês, chegou a hora de dar um próximo passo: fazer o dinheiro trabalhar para você, e o tesouro direto é uma ótima ferramenta para esta tarefa.

Você já ouviu falar no tesouro direto? Gostaria de começar a investir mas tem certo medo? Este artigo é para você começar a investir de vez, por isso, continue lendo.

Maximiza mais!

Assine nossa lista VIP e receba os artigos do blog no seu e-mail

O que é o Tesouro Direto?

“O Tesouro Direto é um Programa do Tesouro Nacional desenvolvido em parceria com a BM&F Bovespa para venda de títulos públicos federais para pessoas físicas, por meio da internet.”

Fonte: Tesouro Direto

O trecho acima foi retirado do site oficial do tesouro direto. Trocando em miúdos, é um programa para a venda de títulos públicos. Daí vem a questão: O que são títulos públicos?

Títulos públicos são títulos emitidos pelo governo federal, que tem por objetivo juntar dinheiro para pagar e financiar suas atividades, como educação, saúde e infraestrutura.

Ao comprar um título público, através do tesouro direto, você está emprestando dinheiro para o governo brasileiro e este deve te pagar com juros, que por sua vez são atrelados à inflação ou a selic.

Como a própria definição deixa claro, o programa foi criado para pessoas físicas, portanto, o programa nasce para permitir que qualquer pessoa possa comprar títulos do governo e receber os lucros do investimento.

Você pode encontrar mais informações muito úteis no próprio site do Tesouro Direto ou obter as informações compactadas aqui, neste mesmo artigo ;).

Por que investir no Tesouro Direto?

O Tesouro Direto é o investimento ideal para quem deseja entrar no mundo dos investimentos, principalmente por ser um investimento de renda fixa.

Renda Fixa? Como assim?

Um investimento de renda fixa é uma modalidade de investimento onde o investidor sabe exatamente quanto irá receber de lucro no final do prazo da sua aplicação.

Por exemplo, imagina que você me empreste R$ 1.000 e eu assino um contrato contigo, reconhecido em cartório, onde me comprometo em te pagar, daqui a 12 meses, o valor de R$ 1.800,00. Este, seria um investimento de renda fixa, pois você já sabe quanto vai receber no final.

No caminho oposto, temos os investimentos em renda variável, onde não se sabe quanto se vai receber no final.

Vamos usar o mesmo exemplo?

Imagine que, no lugar de você me emprestar R$ 1.000,00, você compre este mesmo valor em ações da minha empresa. Este valor vai parar na minha mão do mesmo jeito do primeiro exemplo, porém, daqui a 12 meses, ações que você comprou anteriormente por R$ 1.000,00, valorizaram e no lugar de R$ 1.800,00, você pode resgatar R$ 2.000,00, R$ 3.000,00 ou até mais.

Por outro lado, as ações da minha empresa podem desvalorizar em 1 ano e pode ser que você resgate até mesmo menos do que investiu.

Na renda variável não há como ter certeza de valorizações ou desvalorizações, isto pode dar muito lucro ou muito prejuízo.

Se você nunca realizou um investimento, acredito que não queria começar correndo riscos, por isso, um investimento em renda fixa será mais atraente para você do que um investimento em renda variável.

Além do baixo risco, o tesouro direto possui outras vantagens:

Liquidez

Grau de liquidez significa o quão fácil (ou difícil) é transformar aquele investimento em dinheiro.

Por exemplo, comprar imóveis é um investimento de baixa liquidez, já que a probabilidade de você vender um imóvel, em pouco tempo, é bem baixa.

Imagine que você precise de determinada quantia dentro de 7 dias, não possua nenhum valor no banco, porém, possui um apartamento.

A venda deste apartamento em 7 dias até pode ocorrer, mas provavelmente você deverá baixar bem o preço dele e quem sabe, até terá prejuízo com esta atitude.

Se você precisar resgatar algum valor investido no tesouro direto, este valor estará na sua conta no próximo dia útil, por isso, ele é considerado um investimento de alta liquidez.

Acessível

O tesouro direto é um dos investimentos mais acessíveis disponíveis, perdendo apenas para poupança, já que é possível abrir uma poupança até sem dinheiro algum.

Com apenas R$ 30,00, isso mesmo, R$ 30,00, você já consegue comprar um título público no tesouro direto.

Este é um valor muito baixo e acessível para qualquer pessoa começar a investir.

Facilidade

Para comprar títulos públicos, através do tesouro direto, basta um computador ou Smartphone e um acesso a internet minimamente aceitável (pode até ser o seu 3G).

Todas as transações do tesouro direto são realizadas pela internet. Com dois ou três cliques você já comprou o seu título e investiu o seu dinheiro. Fácil, rápido e sem sair de casa.

Taxas

Todo investimento possui taxas, quer seja para medir os lucros, quanto o custo para você investir.

As taxas cobradas pelo tesouro direto são as mais baixas do mercado, a maioria das corretoras sequer cobram para que você realize aplicações, sobrando somente a taxa da BM&FBOVESPA e os descontos para o imposto de renda.

Neste momento vem na sua mente: “Na poupança não tem taxa”.

Verdade, porém, neste ponto que as coisas ficam mais interessantes.

Mesmo pagando as taxas citadas acima, no final, o lucro obtido com títulos do Tesouro Direto é maior do que o lucro obtido com a poupança.

Saiba mais detalhes sobre as taxas neste link e faça uma simulação comparando o resultado com a poupança neste link.

Leia Também  Como não se endividar com o cartão de crédito

Poder de compra

Um boa vantagem em investir no tesouro direto é manter o seu poder de compra. Isto por que os investimentos do tesouro direto ou são atrelados à inflação ou a Selic.

Traduzindo, se essas taxas subirem ou descerem o seu investimento acompanha no mesmo ritmo.

Sendo mais claro, se você aplicou R$ 1.000,00 na poupança, no final de 1 ano o seu dinheiro rendeu algo em torno de 4,5%, porém, a inflação naquele ano foi de 3,8%, o seu dinheiro na poupança rendeu de fato 0,7% (4,5 – 3,8).

Convertendo em valores, os R$ 1.000,00 aplicado no fim do período de 1 ano serão R$ 1.045,00. Contudo, o que custava R$ 1.000,00 no início do ano, agora custa R$ 1038,00.

Entendeu? A sua vantagem foi só de R$ 7,00.

Isto neste cenário, pois a inflação poderia ser maior ou menor que a sua rentabilidade na poupança seria a mesma, já que a poupança não acompanha a inflação.

Vários títulos no tesouro direto são do tipo uma porcentagem mais a inflação. Por exemplo, o título Tesouro IPCA+ 2035 está sendo oferecido hoje à uma taxa de 5,90 ao ano + a Inflação.

Com isso, se a inflação subir para 6% ao ano o seu investimento vai render 11,9% (5,90 + 6), se a inflação cair para 5%, seu investimento renderá 10,90% e assim por diante. Ele nunca irá render abaixo da inflação ou até mesmo igual a inflação, será sempre acima, mantendo o seu poder de compra.

Maximiza mais!

Assine nossa lista VIP e receba os artigos do blog no seu e-mail

E essas taxas aí?

O ser humano fica mais preocupado em perder R$ 5,00 do que deixar de ganhar este mesmo valor.

O sentimento de perda é o sentimento mais evitado pelo nosso cérebro e por isso, vamos entender melhor essas taxas para você ficar tranquilo.

Quando falamos de cobrança no Tesouro Direto, existem 3 taxas, são elas:

  • IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) – Este imposto incide sobre seus investimentos apenas nos primeiros 30 dias, ou seja, se você comprar um título no tesouro direto e resgatá-lo dentro de 30 dias pagará esta taxa. Esta taxa varia de 96% a 0% do rendimento do investimento. Para não pagar esta taxa, só resgate seu investimento 30 dias após a aplicação.
  • Taxa de custódia – Esta é uma taxa cobrada pela BM&FBovespa pela guarda dos papéis e a segurança das suas informações. A taxa é cobrada semestralmente (a cada 6 meses) e corresponde, no ano, à 0,30% dos seus rendimentos.
  • Imposto de Renda (IRF) – O imposto de renda incide de maneira regressiva sobre a rentabilidade de seus títulos, ou seja, quanto maior o tempo que o seu dinheiro for aplicado ao título, menor será o valor do imposto. Os valores estão na tabela abaixo.

Prazo da Aplicação

Alíquota de IR

0 a 180 dias

22,5%

181 a 360 dias

20,0%

361 a 720 dias

17,5%

Acima de 720 dias

15,0%

  • Taxa da corretora – Algumas corretoras, ou Agentes de Custódia, podem cobrar uma taxa para que você realize suas aplicações no tesouro direto, porém, a grande maioria não cobra taxa nenhuma e aconselhamos que você realize seus investimentos com estes. Neste link há uma relação das instituições financeiras habilitadas pelo próprio tesouro assim como suas taxas praticadas.

Como investir no Tesouro Direto

1 – Cadastre-se em uma instituição financeira

Se você já é correntista de algum banco, já é possível realizar a compra de títulos por lá, porém, não aconselho.

Isto por que os bancos, principalmente os mais conhecidos, costumam cobrar caro por isso.

Só pelo fato de cobrarem alguma coisa para o investimento no Tesouro Direto já é um bom motivo para você não fazer por lá, visto que existem outras instituições que não cobram taxa alguma.

Estas instituições são focadas apenas em investimentos, chamadas também de corretoras.

Mais uma vez, basta acessar a página do próprio Tesouro Direto para conhecer as financeiras habilitadas, assim como as suas taxas.

Para se cadastrar em uma corretora é muito simples e todo processo é feito de forma on-line.

Geralmente você irá preencher um breve formulário com suas informações básicas (Nome, Pai, Mãe, Endereço, CPF, RG, etc) e em seguida enviar cópias dos seus documentos pelos correios ou simplesmente anexar cópias escaneadas dos mesmos e pronto.

Cadastro feito, já podemos ir para o próximo passo.

2 – Transferir o dinheiro para a conta da corretora

Caso você opte por usar o seu banco como agente de custódia, esse passo já foi feito automaticamente. Contudo, mais uma vez não recomendo que faça desta maneira.

Quando você realizou o cadastro na corretora, você acabou de abrir uma conta semelhante a conta que possui no seu banco.

Para quem nunca fez isso pode ser algo novo.

É uma conta corrente mesmo, com agência e número e é o dinheiro guardado nela que será usado para as suas aplicações bem como o pagamento das taxas.

Procure dentro do sistema da corretora que você optou onde está as informações financeiras para transferências.

Uma boa corretora deve possuir um suporte via chat ou telefone. Portanto se tiver dúvidas para encontrar essas informações, chama o suporte!

Você deverá possuir uma conta corrente no seu CPF em algum banco, vincular esta conta no sistema da corretora e pegar as informações da sua conta na corretora (agência e conta).

Feito isso, vá até seu banco e realize uma transferência para conta da corretora e pronto.

Vale observar, que dependendo da sua conta, você pode pagar taxas para transferências. Há duas maneiras de fugir delas: Usar uma corretora que utilize o mesmo banco que o seu (pois não há taxas na transferências entre bancos iguais) ou abrir uma conta digital.

Assim que o dinheiro cair lá já pode iniciar seus investimentos.

3 – Conheça os títulos

Há várias opções de investimento no tesouro direto e vou fazer um artigo mais detalhado sobre eles nas próximas postagem.

Leia Também  3 aplicativos para gestão financeira pessoal

Contudo, para esse ser um guia decente eu tenho que pelo menos colocar aqui uma noção básica para que você já tenha um norte.

Podemos agrupar os títulos do Tesouro em 3 categorias:

  • Tesouro Selic – Esses títulos variam de acordo com a taxa selic, que é a taxa básica de juros da economia do Brasil. Se a selic estiver a 6,8% ao ano, o seu investimento irá render próximo a isso. Este é um bom investimento a curto prazo e que rende mais que a poupança.
  • Tesouro Prefixado – Você saberá exatamente a sua rentabilidade no vencimento do título, ou seja, quando for resgatar seu dinheiro. Título ideal para quem busca segurança e garantia de rentabilidade a médio ou longo prazo.
  • Tesouro IPCA – Este é semelhante ao Tesouro Selic, porém, a taxa aqui é o IPCA que nada mais é que a inflação. Título ideal para manter o poder de compra e não perder dinheiro com um cenário de alta da inflação.

4 – Compre os títulos

Se tem dinheiro na conta e você já tem uma noção de qual título comprar, é só fazê-lo com poucos cliques, quer seja no computador ou no celular.

No site ou aplicativo da sua corretora (mais uma vez, se travar, chama o suporte!) haverá uma área onde será possível localizar os títulos do tesouro disponíveis para compra. Algo semelhante ao da tabela abaixo.

Título Vencimento Taxa de Rendimento (% a.a.) Valor Mínimo Preço Unitário

Indexados ao IPCA

Tesouro IPCA+ 2024 15/08/2024 5,45 R$45,18 R$2.259,44
Tesouro IPCA+ 2035 15/05/2035 5,71 R$36,84 R$1.228,04
Tesouro IPCA+ 2045 15/05/2045 5,71 R$35,29 R$705,86
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2026 15/08/2026 5,54 R$32,85 R$3.285,95
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2035 15/05/2035 5,64 R$32,72 R$3.272,20
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050 15/08/2050 5,72 R$33,26 R$3.326,61

Prefixados

Tesouro Prefixado 2021 01/01/2021 9,01 R$32,31 R$807,93
Tesouro Prefixado 2025 01/01/2025 10,97 R$30,62 R$510,45
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2029 01/01/2029 11,13 R$37,52 R$938,20

Indexados à Taxa Selic

Tesouro Selic 2023 01/03/2023 0,02 R$95,88 R$9.588,73

Temos na tabela o nome do título, o seu vencimento, a taxa de rendimento ao ano, o valor mínimo que pode ser aplicado e o preço de uma unidade do título.

Vale destacar que o vencimento é a data onde com certeza você vai resgatar exatamente o valor acordado na compra, não significa que você não possa realizar resgates antes desta data.

Resgates antes do vencimento podem gerar mais lucro ou prejuízo com relação ao que seria resgatado no vencimento, vai depender dos valores dos títulos no dia, mas isso já assunto para um próximo artigo inteiro.

Localize seu título, clique em algum botão comprar, informe a quantidade ou o valor e pronto.

Geralmente no dia seguinte a compra já é concretizada, o dinheiro sai da conta da corretora e você passa a ver aquele título na sua custódia.

Quando e como resgatar

O ideal em investimentos no tesouro direto é que o resgate seja feito apenas no vencimento, pois é no vencimento que com certeza você receberá o valor acordado no ato da compra.

No entanto, você pode resgatar todo ou parte do valor investido a qualquer momento.

A dica é não resgatar antes de 30 dias da compra do título para evitar custos com o IOF e se possível, manter o investimento por pelo menos 2 anos (720 dias), assim o imposto de renda será de 15%, que é o menor valor possível de IR neste caso.

Mesmo pagando um maior imposto de renda, pode ser que seja vantajoso resgatar antes de 2 anos de acordo com o valor do título que você tem em mãos no momento.

Suponha que quando você realizou a compra de um título, o governo estava em época de crise, ou seja, precisando de dinheiro.

Neste cenário ele aumenta os juros e diminui o preço dos títulos para atrair mais investidores, e por conseguinte, conseguir mais dinheiro.

O título adquirido por você na época custou, por exemplo, R$ 1.000,00, com rentabilidade de 10% ao ano.

Passados 12 meses o mesmo título está sendo vendido a R$ 1.200,00.

Com a rentabilidade de 10% o seu título hoje está no valor de R$ 1.100,00, porém, o mercado está pagando R$ 1.200,00 no momento, ou seja, um lucro de R$ 100,00 em relação ao valor do seu título agora.

Mesmo com os descontos das taxas, você resgataria algo em torno de R$ 1.165,00, o que ainda seria um lucro de R$ 65,00.

O cenário acima é positivo, porém, o oposto também pode ocorrer, ou seja, o título comprado por R$ 1.000,00, está sendo vendido atualmente por R$ 980,00. Neste cenário, será prejuízo para você resgatar os títulos antes do vencimento.

Quer seja no vencimento ou antes, resgatar o seu dinheiro é tão simples (ou mais) quanto foi comprar.

Basta entrar no site ou aplicativo da corretora, procurar pelo seu título e nele a opção de resgatar. Agora basta informar o valor e pronto.

Até no máximo o próximo dia útil (D + 1) o dinheiro já estará disponível na conta da corretora, bastando agora solicitar a transferência do valor para a sua conta bancária vinculada.

Concluindo

O tesouro direto é o programa ideal para quem quer começar a investir e fazer o dinheiro trabalhar para você.

Um investimento fácil, de baixo risco, alta liquidez que pode ser feito de casa, do trem, do carro e onde mais você estiver desde que tenha internet.

Se quiser saber mais sobre o tesouro direto, os títulos disponíveis, as taxas e outras informações, continue ligado em nossos artigos aqui na Maximiza.se.

Dúvidas ou observações, fala ai nos comentários.

Sucesso e um forte abraço.

Maximiza mais!

Assine nossa lista VIP e receba os artigos do blog no seu e-mail

Alexander Lima

Administrator

Coach e Desenvolvedor de Software
follow me

Leia Também